DESTAQUES

domingo, 8 de novembro de 2009

Aperitivo Poético - Carlos conrado





Uma breve canção

O poema pavio curto

teve um susto...

Apagou o seu existir

e acendeu a luz do nada

como uma canção de Dylan

surrando a madrugada.



Delírio

Na dança da espiral

Vi as deusas em formosura,

Vi os sublimes retratos

Da Doçura,

Vi o brilho de uns olhos

Ofuscando contentamento,

Vi Brianna e Cinnia

Em ofegantes abraços

Com o Vento.


Envelhecendo

Atento ao seu reflexo

O deus narcisista,

Preocupa-se com o tempo

E com a veloz maturidade,

Que chega sem licença,

Sem formalidade, plantando

Rugas no rosto que agora

Clama a estética do passado.


Senhora

Cansada da monotonia

De viver no trono estática,

Eu guardiã da verdade,

Resolvi radicalizar meus atos...

Condenei a tolerância,

A pureza e a honestidade.

Absorvi Hitler, Sadam e Bush,

Rebelei-me contra a fraqueza...

Investi na intolerância generalizada,

Matei a esperança para ser chamada

De Justiça Desequilibrada.

A Convidada

Fiz um banquete e

Convidei a Loucura...

Ofereci a Lua como sobremesa

E o Sol como prato de entrada...

Ela comeu a Lua e

Depois ficou nua

Cantando para as estrelas.


Mais um sonho

Mudei a ordem das estrelas

Enchi de cores os cometas,

Estendi os raios do sol e

Pintei o plenilúnio da lua...

Refiz a criação divina

Com toques conradianos,

Reformulei o homem em

Toda a sua composição...

Dei nova vida a Morfeu

Afim de que o seu dom,

Ressuscitasse a Esperança

Assassinada pelas experiências...

Sendo irmãs do Desgosto

Não são bem vindas em

Meu mundo...

Busquei um novo artista

Com pensamentos futuristas e

Descobri Da Vince em

Matéria feminina...

Nomeei o Galilei

De sentinela do universo,

Desci à antiga Terra

Para colher os frutos

Do tempo de regeneração...

Escolhi o melhor maestro

Para o Concerto de Ozônio,

Embevecido com a melodia

Dos sonhos, custei a acreditar

Que o meu prazer interrompido

Chegasse ao orgasmo... no auge

Do gozo psical, suspirei e [

Acordei].


- Carlos Conrado

In: O Aeronauta Entre a Razão e a Loucura

Nenhum comentário:

Postar um comentário