DESTAQUES

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Carlos Conrado Presidente do Movimento Cultural Internacional A Plêiade entrevista a poetisa Luciana Tannus



Carlos Conrado Presidente do Movimento Cultural Internacional A Plêiade entrevista a poetisa Luciana Tannus
Luciana é mineira de Belo Horizonte e atualmente vive em Aracaju, Sergipe, divulgando sua poesia e contribuindo com o seu pensamento em projetos ligados a area cultural desta cidade e, claro, intercambiando-o com os lugares por onde passa.

Primeiramente gostaria de te agradecer pela disponibilidade de ser entrevistada por mim. Como dizem os alemães: “Guten Tag”, boa tarde! Será de grande valia poder conhecer um pouco mais sobre ti.

Quem é Luciana Tannus?

Alguém com muita disposição para aprender e ajudar.

Como descobriu a poesia?


Eu sempre gostei muito de ler e escrever. Mas a poesia, realmente, começou a ganhar espaço em minha vida na adolescência e acho que tem uma explicação biológica para isso, pois eu estava passando por uma fase de transformações hormonais e com ela a ansiedade, a crise existencial, os sentimentos reprimidos, enfim, tudo isso me inspirou muito na criação de meus primeiros versos. Era uma forma de exteriorizar tudo o que eu sentia. Por outro lado, a gene fala mais alto quando se tem um avô que fora amante da literatura e da arte.

Quais foram suas primeiras influências para a composição dos seus textos?


Eu sempre escrevo o que sinto, a maneira como eu vejo o mundo e as pessoas e o que me dói à alma. Mas confesso que foram tantos os poetas das quais eu convivi na minha infância e juventude, que há traços de todos eles em tudo que faço e escrevo.

Em qual escola literária poderíamos relacionar o conjunto de suas obras?

A princípio, o Modernismo.

Já publicou algum texto seu em livro, jornal ou revista?


Sim, participei da Antologia Poética, “Nós da Poesia”, lançada na Bienal Internacional do Livro No Rio de Janeiro, em setembro de 2009, pela All Print Editora (SP), uma iniciativa do Instituto Imersão Latina.

Algumas publicações em Novos Talentos da Literatura Brasileira de Autores contemporâneos. Participo também da Antologia Poética “A Plêiade – Tributo a Paz, organizado por Carlos Conrado e Talita Fontes, em Aracaju/SE. No Caderno Lítero Cultural do Jornal “Alto Madeira”, em Porto Velho, de nosso querido e amigo poeta, Selmo Vasconcelos. No Jornal “O Liberal”, de Laranjeiras/SE, no qual tive o prazer de ser convidada por outro amigo poeta, Emerson Maciel, a participar com minhas poesias. E também em várias páginas e redes sociais para escritores na internet.

Pretende lançar ou já possui algum livro solo?

Este tão esperado filho que darei à luz tem sido trabalhado de forma paciente e cautelosa. Mas em breve terei orgulho de apresentar-lhes o primogênito.

Dos imortais da Literatura Universal, Qual o seu autor preferido?

Vou responder alguns nacionais e internacionais: Guimarães Rosa, Fernando Pessoa, Stanislaw Ponte Preta, Graciliano Ramos, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Adélia Prado, João Cabral de Melo Neto...
Gabriel García Marquez, Pablo Neruda, Marquês de Sade, Júlio Verne, Shakespeare, Humberto Eco...

Da Literatura Contemporânea qual autor você mais se identifica?

Ferreira Gullar, Jorge Tufic e Clevane Pessoa.

Se precisasse incentivar alguém a escrever ou a ler, o que você diria?

Escrever é uma necessidade, no entanto, não se obriga a ninguém a tal tarefa árdua, escrever dói. Mas eu diria que para se escrever é necessário ler. Uma ação complementa à outra.

Além da paixão pela arte de escrever, existe alguma outra que você poderia citar?


Viajar o mundo, explorar lugares exóticos e civilizações antigas.



Existe Algum Projeto na área cultural que pretende executar?

Sim, tenho muita vontade de montar uma biblioteca onde às pessoas pudessem se encontrar, trocar ideias, ler muito e realizar saraus.

Descreva a sua visão sobre como é tratada a cultura no Brasil hoje em dia.

Com descaso. Não há uma política de incentivo à Cultura e quando ocorre algum tipo de evento, na maioria das vezes há um grande interesse político por trás disso. Não vejo ser essencialmente por amor à arte. Temos tantas vias de comunicação eficazes e mal usadas “por conveniência”. A televisão, por exemplo, eu tenho preguiça de assistir aos programas porque é alienante, um lixo.

Faz parte de alguma instituição cultural?


Represento a CAPPAZ – Confraria Artistas e Poetas pela Paz – em Sergipe. Sou Embaixadora Universal da Paz no âmbito do Círculo dos Embaixadores da Paz – Suisse/France e Cônsul Poetas Del Mundo.

Onde é possível encontrar seus textos?

http://lucianatannus.blogspot.com
http://expressopoesias.blogspot.com


Bem, Acho que isto basta! Como desconfiava, você é sem dúvidas uma grande poetisa e mulher. Obrigado por me conceder o privilégio de conhecê-la melhor. Os leitores também irão agradecer! Paz e bem, sempre. “Alles guten!”


Carlos Conrado
Aracaju/Se
01/05/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário